Parto humanizado: você quer mesmo?

Pelo plano de saúde, pode esquecer.
Que médico vai dar um tratamento humanizado por R$300 (é o que o convênio paga pra eles).
Você pode ir em 8 mil obstetras e não vai conseguir um tratamento humanizado de verdade (http://www.mulheres.org.br/parto/index.html), nem pra você, nem pro seu bebê, muito menos um parto normal humanizado.
Esse papinho de “eu faço parto normal, mas se tiver algum risco eu opero”, é tão previsível que eu nem gastaria meu tempo.
A esmagadora maioria dos médicos só faz parto vaginal (cheio de intervenções) se a mulher chegar no hospital com o bebê nascendo.

Eu conheço e posso indicar apenas 1 médico de convênio que faz parto natural e até segue o plano de parto, mas não é 100%. Posso indicar mais uns 4 médicos que fazem parto natural, não atendem convênio mas dão reembolso, se o seu plano reembolsar.
Tenho várias “amigas virtuais” que tiveram bebês com esses médicos, e as poucas cesáreas que aconteceram (cerca de 10% dos partos atendidos por eles), foram por indicação real e foram humanizadas (nenhum deles ficou conversando sobre futebol ou sobre o fim de semana que perderam por causa do trabalho de parto que poderia ter sido evitado se a mulher tivesse marcado a cesárea logo – isso acontece muito – , nem colocam luzes na cara do bebê, nem amarram seus braços, assim você pode pegar o bebê assim que é retirado e amamentá-lo ainda no centro cirúrgico…).
Ah, só para listar as intervenções que a mulher sofre sem ao menos ter opção de perguntar o por quê de tudo aquilo, mesmo porque o médico vai dar instruções por telefone pras enfermeiras irem adiantando tudo:
* lavagem intestinal – não precisa, vc vai perceber que, quando vc entrar em trabalho de parto seu próprio organismo vai se encarregar de fazer a “limpeza”, naturalmente.
* raspagem de pêlos – que pode abrir porta para infecções, já que vc vai perceber que, qdo vc estiver com contrações e encontrar uma posição confortavel (que provavelmente NÃO será deitada de barriga pra cima), vc não vai querer mais se mexer, e outra, se vc se depilar normalmente e manter os pelinhos aparados, não precisa raspar tudo.
*ocitocina: que é colocado no soro pra acelerar e aumentar as contrações – quem teve parto sem hormônio sintético e com, falou que dói muito mais com a ocitocina, e na maioria dos casos não precisa, pq com mais dor vc vai pedir analgesia mais cedo, então é contraditório pq põe o soro pra acelerar, aí dá analgesia logo, que pode retardar o trabalho de parto…
*episiotomia: o corte no períneo, feito de rotina pela maioria dos médicos (não por esses que eu conheço), dizem que é pra facilitar a saída do bebê e pra prevenir queda de bexiga e outros problemas… tudo balela! Corta-se pele, mucosa e músculos, depois costuram, é o mesmo que fazer canal num dente sadio pq ele, um dia, quem sabe, talvez, possa precisar…
Nem toda mulher sofre lasceração com o parto, e quando acontece, geralmente é só de pele e mucosa (meu caso) muito, mas muito menor e menos profunda que uma episiotomia, e também quase não sangra (já na episio é quase uma hemorragia, um horror!)
E outra, o que pode causar prolapso de bexiga e flacidez nos músculos do assoalho pélvico não é o parto, é a gravidez toda, então, quem acha que o parto faz a vagina ficar “larga” não sabe de nada! Vagina é músculo e, mesmo quem sofre cesárea pode ficar com a musculatura flácida por causa do peso que seu assoalho pélvico carregou durante 40 semanas…
exercícios para o períneo: http://www.mulheres.org.br/fiqueamigadela/index.html

Fora as intervenções no bebê:
cortar o cordão imediatamente após o nascimento;
Aspirar boca, nariz e ânus;
colírio de nitrato de prata (pra prevenir conjuntivite gonocócica, eu acho, mas é indicado no caso de mãe com gonorréia -vc tem? eu não, fiz meu pré-natal direitinho e sei que não tenho!- e parto vaginal, mas nos hospitais eles fazem de rotina, mesmo em bebês nascidos por cesárea. Ah, esse colírio é cáustico;
Pesar e medir logo em seguida;
vitamina K injetável e vacinas…
NAN no berçário.

Iimagina o bebê, recém saído do útero materno onde ele estava enroladinho, quentinho, apertado e acolhido num mundo escuro, mas cheio de som (externos e dos órgãos da mãe), movimento (qdo a m~e se mexe o bb mexe tb!) e sensações; sai para o mundo com luz na cara, sons estranhos, todo aberto, solto, esticado, com frio, desamparado…
Imaginem seus pulmões que nunca funcionaram, de repente cortam o cordão umbilical, por onde o bebê recebia oxigênio e nutrientes, e ele tem que começar a respirar bruscamente, nem dão um tempo pra ele se adaptar… pra que cortar o cordão tão depressa! Cortando o cordão umbilical tardiamente essa transição será mais suave.
Aí começam e enfiar cânulas no nariz, na boca e no ânus, pra eliminar líquidos e mecônio… mas se o bebê nasceu bem, pra quê tudo isso? E se nasceu de parto normal, pode ter certeza de que ele foi espremido o sufuciente pra eliminar líquidos, e o mecônio, é só mais escuro e gosmento, pode ficar tranquilo que será a primeira de muitas fraldas!!!!
Aí pingam um colírio cáustico nos seus olhinhos!
Depois esticam pra medir (dá pra esperam um ou dois dias, né gente, pra quê a pressa!), e põem num lugar frio pra pesar e começam a espetar com agulhas…
É vitamina K injetável, mas pq ninguém avisa que pode ser via oral?
E vacinas, num organismo ainda imaturo e sem defesas, mal colonizado pelas bactérias da mãe e do pai…

Ai, ai, ai…

Você já questionou seu médico sobre essas coisas?

Alguns poucos médicos obstetras e pediatras humanizados vão garantir que, nem você, nem seu bebê passem por essas intervenções se não for absolutamente necessário.

Bjos sempre emocionados e felizes, quando lembro que nem eu, nem minha filha passamos por nada disso e que fomos respeitadas desde o início das nossas vidas como família!

Cath da “sagúzinha” (que nasceu num lindo parto domiciliar familiar após 41 semanas e 5 dias de gestação pelas mãos da parteira Vilma Nishi, mamou assim que nasceu e só mamou em livre demanda -sem horários estipulados- durante os primeiros 7 meses de vida, teve o cordão cortado pelo papai só depois que parou de pulsar, não foi aspirada, injetada nem perfurada, não toma vacinas, nem remédios! E nunca precisou!)

Esta entrada foi publicada em intervenções, obstetras, parto humanizado, pediatras, vacinas com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s